Psoas: O músculo da alma

Compartilhe!

A importância do psoas para a nossa saúde, vitalidade e bem-estar emocional.

O psoas é o músculo mais profundo e estabilizador no corpo humano, relacionado ao o equilíbrio estrutural, a amplitude dos movimento, a mobilidade articular e o funcionamento dos órgãos do abdômen.

iliopsoasÉ o único músculo que liga a coluna vertebral às pernas, é responsável por nos manter em pé e o que permite levantar as pernas para andar. O psoas saudável estabiliza a coluna vertebral e proporciona apoio através do tronco, além de formar um bom suporte para os órgãos abdominais. Dá suporte para o chamado “core”, ou “centro”.

Estudos recentes também consideram o psoasum órgão de percepção que incorpora literalmente, nosso desejo mais profundo de sobreviver e florescer. Ou seja, ele é  o mensageiro primário do sistema nervoso central, por isso também é considerado um porta-voz das emoções (“borboletas na barriga”). Isto acontece, porque o psoas está ligado com o diafragma através do tecido conjuntivo ou fáscia, influenciando tanto a respiração, quanto o medo reflexo (ansiedade).

Um estilo de vida acelerado e o estresse geram uma descarga de adrenalina que cronicamente tensiona o psoas, preparando-nos para correr, entrar em ação ou contrair-se, como forma de nos proteger.   Se mantivermos o psoas constantemente em tensão devido ao estresse, eventualmente, as fibras começarão a encurtar. Assim dificultará a nossa postura e as funções dos órgãos que se localizam no abdômen, resultando em dor nas costas, dor ciática, problemas de disco, degeneração do quadril, períodos de menstruações dolorosas ou problemas digestivos.

Além disso, um psoas tenso envia sinais de voltagem para o sistema nervoso, interfere nos movimentos dos fluidos e afeta a respiração pelo diafragma. Na verdade, o psoas está tão intimamente envolvido nas reações físicas e emocionais básicas que quando está cronicamente estressado, envia constantemente sinais de alerta ao corpo, por isso pode afetar o esgotamento das glândulas supra-renais e do sistema imunológico . Esta situação é agravada pela maneira de sentar-se ou posições dos nossos hábitos diários, reduzindo nossos movimentos naturais e contraindo ainda mais os músculo.

Um psoas liberado permite alongar muito mais a parte posterior dos músculos e permite que as pernas e pélvis movam-se com  mais facilidade e independência. Melhora  a posição da coluna vertebral e de todo o tronco, com a consequente repercussão na melhoria das funções dos órgãos abdominais, da respiração e do coração.

Quando cultivamos a saúde dos nossos psoas, reacendemos nossas energias vitais que se conectam novamente com o nosso potencial criativo.

Em algumas filosofias orientais o psoas é conhecido como o “músculo da alma”, o principal centro de energia do corpo. Quanto mais flexível e forte é o psoas, mais será o nosso fluxo de energia vital através dos ossos, músculos e articulações.

O psoas seria como um órgão de canalização da energia, um núcleo que nos conecta com a terra , nos permite criar um suporte forte e equilibrado desde o centro da nossa pélvis. Assim, a coluna vertebral se alonga e, através dela, pode fluir toda nossa vitalidade.

trikonasana_psoas_diaphragm

Estresse Pós Traumático

Existe um método criado por David Berceli, o TRE – Trauma Releasing Exercises (Exercícios de Liberação de Traumas), que se constitui numa ótima ferramenta para aliviar as tensões do psoas. Segundo David, que já atuou em diversos países tratando multidões de pessoas que passaram por algum tipo de evento traumático (desastres naturais, guerras, refugiados, e atualmente pesquisa o efeito da técnica com soldados americanos que voltaram da guerra), o método é eficaz por permitir ao corpo liberar as tensões através do tremor muscular, causado por indução (fadiga). Segundo ele menciona, existem pesquisas que demonstram que os animais liberam de forma inconsciente, e logo após vivenciarem eventos traumáticos, suas tensões através do tremor muscular. Alguns animais chegam a cair e tremerem por alguns instantes, freneticamente, quando o evento foi demasiadamente intenso. Logo após, eles estão aptos a levantarem-se e continuarem suas vidas normalmente, sem as fortes consequências que os traumas não liberados podem causar (tensões musculares que levam às dores e alterações dos órgãos e sistemas, as “somatizações” à nível físico e psicológico). 

Nós, seres humanos, que também podemos liberar nossas dessa maneira, acabamos muitas vezes minimizando os tremores por razões culturais, não permitimos ao nosso corpo vivenciar o tremor de maneira proporcionalmente intensa aos eventos vividos por não ser um comportamento “socialmente compreendido, aceitável”. Estamos sempre tentando mascarar o estresse e as consequências deles. Quando passamos por um evento traumático, nosso corpo automaticamente tremula, mas estamos sempre suprimindo este tremor, buscando acalmá-lo, ao invés de deixá-lo fluir em toda sua intensidade, e dessa forma, os músculos permanecem enrijecidos pelas tensões.

Liberação muscular 

Além do TRE, outra ferramenta que pode ser utilizada para liberar estas tensões musculares é a Microfisioterapia.

A Microfisioterapia vai buscar via corporal, os eventos que impactaram o corpo de alguma maneira (eventos relacionais, tóxicos, traumáticos, sobrecargas físicas) e estimular através do toque nos locais onde o corpo guardou a memória do evento, para que o corpo reequilibre-se por si só, utilizando o potencial de auto cura. É muito comum na microfisioterapia, o paciente vir se queixando de uma dor muscular, e através desta queixa, encontramos o evento que impactou o organismo, um órgão e um músculo que corresponda exatamente à sua queixa, o que demonstra a interrelação dos sistemas corporais. Por vezes, não associamos uma alteração em um órgão com uma dor muscular, quando o evento que causou o desequilíbrio nestes foi o mesmo.

Quando liberamos a memória corporal, automaticamente possibilita ao organismo restabelecer suas funções, do órgão e do músculo correspondente, o que melhora a queixa do paciente, e lhe permite compreender o quê levou ao surgimento do sintoma, entendendo assim de que forma seu corpo respondeu ao evento.

Microfisioterapia Cascavel

Microfisioterapia – Dra. Simone Carvalho. Imagem com direitos autorais. Copyright ©.

Fonte: http://www.yoguifeliz.com

Sobre a autora:

Dra. Simone Carvalho

Fisioterapeuta Crefito 216935-F

  • Formação Internacional em Microfisioterapia (França)
  • Formação Internacional em Leitura Biológica (Nova Medicina Germânica)
Compartilhe!